Bob Stone joga até na segundona do futebol inglês

 

Sou são-paulino desde que me entendo por gente. Comecei a frequentar o Morumbi pelas mãos do meu pai, com nove anos de idade, e, pelas minhas contas, devo ter presenciado pelo menos uns 300 jogos no estádio – era outro o Cícero Pompeu de Toledo daqueles tempos, bem mais cinzento, sem cadeiras e sem grades divisórias nas arquibancadas, moldadas com cimento primitivo e longe de confortável.

 

Fui sócio do clube por mais de dez anos, durante minha infância e adolescência; passei por todas as categorias do velho COD (Centro de Orientação Desportiva) e até disputei competições pelo Tricolor. Apesar de tudo isso, posso dizer, sem a menor sombra de dúvida, que hoje o São Paulo Futebol Clube não tem conhecimento da minha existência.

 

Moro em Derby (Reino Unido) há menos de seis meses. Nesse período, fui a três jogos do Derby County aqui no iPro Stadium — e o clube já sabe quem eu sou. Na semana passada recebi, pelo correio, uma carta assinada pelo presidente do clube, Sam Rush, agradecendo pelo meu apoio até aqui e me oferecendo um plano de Season Tickets, ingressos para toda a temporada 2014-2015. A proposta é individualizada, inclusive com preços direcionados ao tipo de entrada que eu comprei nas três partidas (categoria E, a mais barata).

 

A carta do presidente veio acompanhada de um folheto com um mapa do estádio, explicando o que há disponível. Os preços variam não só de acordo com a localização dos assentos, mas também com a faixa etária do comprador. O ingresso mais caro é o do adulto, mas há subcategorias para maiores de 75 anos, entre 65 e 75, adultos jovens (de 18 a 22 anos), de 15 a 17 anos, de 13 ou 14 e menores de 12 anos.

 

Na minha categoria (adulto), os Season Tickets mais baratos para toda a temporada (no Upper South Stand, meu ponto favorito, por exemplo) custariam 299,50 pounds (R$ 1.193,00) se pagos à vista. O valor dá direito a pelo menos 23 jogos (toda a temporada da Championship, a Segunda Divisão inglesa, disputada no iPro Stadium). O número de partidas pode ser maior, se o Derby garantir vaga nos playoffs (caso fique entre o terceiro e o sexto lugar na tabela) e de acordo com os sorteios para a FA Cup e League Cup (torneios anuais, semelhantes à nossa Copa do Brasil, envolvendo times de divisões diferentes), que podem ser disputados em casa ou fora.

 

Considerando só os 23 jogos garantidos, cada ingresso sai por 13 pounds (R$ 52,00). O valor total pode ser dividido em até 11 parcelas, incluindo juro de 7%, após o pagamento de um depósito inicial de 24,96 pounds (R$ 99,40) e mensalidades de 26,71 pounds (R$ 106,40), no total de 318,77 pounds (R$ 1.270,00).

 

 

A carta do presidente e a promessa de metade do dinheiro de volta em caso de acesso. Marketing de relacionamento by the book

 

 

Como o Derby sabe quem eu sou? Simples, diria um Bob Stone, autor de Marketing Direto (Successful Direct Marketing Methods), a “bíblia” de quem quer construir um relacionamento com seu consumidor. Ao comprar um ingresso para qualquer partida no iPro Stadium, você precisa mostrar um documento e informar endereço, telefone e e-mail, quer dizer, entra no banco de dados do clube e pode ser reconhecido. Ah, a entrada é adquirida em uma sala climatizada, de um educado funcionário uniformizado, trajando camisa e gravata e sentado diante de um computador, não de um buraco na parede, isolado por uma grade enferrujada, como é costume no Morumbi.

 

Há algum tempo está em discussão no Brasil a criação de um cadastro nacional de torcedores como forma de combater a violência, inclusive com a emissão de um novo documento obrigatório para cada indivíduo que quiser frequentar estádios. Mas todo cidadão brasileiro já não tem um documento nacional de identificação, chamado Registro Geral, o popular RG? Para que emitir mais um documento?

 

Aqui na Inglaterra os próprios clubes têm esse cadastro dos torcedores, não só para efeito de segurança, mas também para conhecer quem frequenta seu estádio – e ganhar dinheiro com isso. O detalhe é que no caso do Derby County estamos falando de um clube da Segunda Divisão, em uma cidade de cerca de 250 mil habitantes (com alguma história, é verdade, dois títulos da primeira divisão, nos anos de 1970), mas nada comparável ao São Paulo, a equipe mais vencedora do futebol brasileiro, situado na maior e mais rica cidade do país…

 

A proposta de Season Tickets do Derby County é válida até 16 de março e veio acompanhada de uma tentação extra. Se os Rams (apelido do clube, referência ao carneiro que serve de distintivo e é o maior símbolo da região de Derbyshire) subirem para a Premier League (Primeira Divisão inglesa) neste ano, você recebe de volta metade do dinheiro pago pelas entradas…

 


No YouTube, um vídeo com o ambiente no
Upper North Stand:

 

 

*O jornalista brasileiro Lúcio Mattos vem escrevendo uma série de reportagens sobre suas viagens pelo Reino Unido e pela Europa. Ele hoje vive em Derby (Reino Unido). Leia mais dele no blog “Crônicas do Reino”, clicando aqui.

 

Foto e vídeo: Lúcio Mattos

 

Comentário