“Empresas e consumidores amadureceram”, avalia ABRADi-SP

Cerimônia na noite desta segunda-feira (6), no plenário da Câmara Municipal de São Paulo, marca o início oficial da celebração de uma data que deve contribuir para o fortalecimento da categoria dos profissionais diretamente envolvidos com mídias, serviços e produtos digitais: o Dia do Profissional Digital (ou #404DigitalDay, como foi batizado).

O 404 do nome se refere diretamente ao dia 4 de abril, que é o dia oficial da comemoração, e também alude, de modo divertido, ao erro de código 404, comum em mídia online, quando uma página da internet não é encontrada. A escolha do dia 4 de abril também se deveu a Santo Isidoro de Sevilha, considerado o santo protetor da internet e dos programadores, que morreu num dia 4 de abril.

O novo dia objetiva reconhecer o valor dos profissionais digitais e, sobretudo, buscar ações efetivas que possam melhorar o dia a dia dos trabalhadores.

Nós, do Jornalirismo, cientes da importância da comunicação digital e de seus profissionais para o desenvolvimento econômico e cultural do Brasil, conversamos com Bernardo Castello Branco, presidente da ABRADi-SP (Associação Paulista dos Agentes Digitais), a entidade responsável pelo encaminhamento da data comemorativa.

Na entrevista que você lê logo abaixo, Bernardo fala sobre segurança nas plataformas digitais (questão que muito preocupa) e ações de formação que vêm por aí. Também faz balanço da internet no Brasil, vinte anos depois de seu “lançamento”, comercialmente falando. “Tanto as empresas como os consumidores amadureceram e apostaram no online”, analisa.

Bernardo Castello Branco, presideente da Abradi-SP
O presidente da ABRADi-SP, Bernardo Castello Branco: Confiança no mercado digital

 

 

Jornalirismo O que o profissional digital irá ganhar com a lei que instaurou seu dia? E qual é o significado desta lei para o mercado?

Bernardo Castello Branco O Dia do Profissional Digital surgiu como uma iniciativa da ABRADi-SP para homenagear todos que trabalham na área digital, valorizá-los e chamar a atenção para esta classe, que é tão importante e movimenta tanto a economia de nosso país. Como resultado da união entre estes profissionais, a população e o poder público, este dia terá caráter social, pois promoverá o trabalho ético e responsável por parte destas pessoas, que direta ou indiretamente influenciam a vida de todos ao criar e trabalhar com tecnologias na internet.

Irá também qualificar indivíduos e promover transmissão de conhecimento, além de usar o know-how no mercado digital para apresentar projetos úteis à população, como o Conecta SP, circuito de palestras gratuitas ministradas por profissionais com temas atuais relacionados à internet; a Virada Digital, que consiste na doação de uma madrugada de trabalho dos profissionais das agências associadas à ABRADi-SP em prol de uma causa social a ser definida; e a criação de um canal de cadastro entre Coordenadoria de Conectividade e Convergência Digital [órgão da Prefeitura de São Paulo responsável, entre outras atribuições, pelos telecentros] e ABRADi-SP com a intenção de dar oportunidade a usuários dos telecentros de fazer estágio nas empresas associadas.

Jornalirismo Para o senhor, como será o reconhecimento dos profissionais digitais? Será de uma maneira gradativa?

Bernardo Muitos destes profissionais já são protagonistas em seus segmentos, mesmo estando por trás de empresas online ou agências. Penso, portanto, que o reconhecimento já existe, embora em muitos casos restrito ao nicho de atuação de cada um. A adesão de trinta empresas, apoiando e patrocinando o lançamento do Dia do Profissional Digital, reflete o reconhecimento e a importância destes profissionais.

Jornalirismo Já é possível pensar os profissionais digitais como uma categoria propriamente dita, com questões específicas e desafios próprios? Já há maturidade suficiente?

Bernardo Primeiro precisamos entender quem é o profissional digital. São considerados profissionais digitais todos os que atuam no ambiente online, sejam eles profissionais de criação, mídia, redes sociais, webdesigners, redatores de conteúdo, jornalistas, blogueiros, profissionais de e-commerce, SEO, mídias sociais, programadores, os que atuam com aplicativos e jogos online, links patrocinados, email marketing, mobile e planejamento, entre outros. Por outro lado, existem aqueles mercados exclusivamente digitais, como são os casos do webdesign e games. Os desafios para o digital talvez sejam maiores porque ainda é uma área relativamente nova e carente de regulamentação em várias questões, como segurança e privacidade. Mas tudo é uma questão de tempo para essas coisas se ajeitarem.

Jornalirismo A internet é um meio inerente e indispensável em qualquer campanha de comunicação e vendas. Contudo, ainda parece haver a ideia de que não precisa de formação ou conhecimentos profissionais para manipulá-la, principalmente no âmbito da comunicação e do conteúdo. Como mudar este fato?

Bernardo Acredito que esta forma de pensar já esteja mudando. Qualquer empresa que leve a sério seu negócio sabe que é preciso buscar os melhores parceiros no mercado para ações específicas. Caso contrário, corre o risco desnecessário de ter um prejuízo enorme – seja pelas vendas, seja pela reputação da marca. Hoje os profissionais que atuam no online não são mais amadores. Já têm experiência e conhecimento, além de contarem com softwares específicos e pesquisas para os auxiliar nas tomadas de decisão.

Jornalirismo Que conhecimentos, habilidades ou competências são esperados de um bom profissional digital?

Bernardo Os mesmos de qualquer profissional, não adianta ter um ótimo currículo se o lado emocional, comportamental, não acompanhar. É precisa saber trabalhar em equipe, ouvir os colegas, compartilhar conhecimento. A empresa é feita por pessoas. É claro que ter um sólido conhecimento técnico é importante, mas penso que a maior competência é ter habilidade para superar os desafios que as relações entre as pessoas apresentam.

Jornalirismo Em questão de salários, como será este “valor” ao profissional?

Bernardo Melhores remunerações acontecem quando o mercado cresce e se torna mais competitivo para contratantes e contratados. Para atingir esta condição, temos certeza da necessidade de treinamento e qualificação constantes dos profissionais que atuam neste segmento, que refletem diretamente na qualidade dos serviços entregues e no respectivo valor percebido. A criação do Dia do Profissional Digital se propõe a incentivar e entender essas necessidades para auxiliar o mercado na criação de cursos e treinamento mais eficazes. Como referência, a ABRADi Nacional publica pesquisa de cargos e salários para o segmento.

Jornalirismo Qual é, hoje, a grande questão que movimenta o mercado digital brasileiro e também mundial?

Bernardo São muitas as questões e os desafios. Destacaria a questão da segurança, que é sempre relevante.

Com os serviços na nuvem, as empresas podem acessar os seus dados de qualquer lugar. É natural que isso gere uma insegurança por parte dos gestores. Atualmente temos um cenário híbrido: parte das informações está na nuvem e parte nos servidores locais. Mas os negócios caminham para termos a maior parte dos serviços na nuvem e mobile, ou seja, acesso e compartilhamento de qualquer lugar.

O impacto na questão da segurança é grande também porque o número de aplicativos e aparelhos móveis cresce exponencialmente, o que aumenta o risco. O grande desafio é saber como armazenar este volume enorme de informações na nuvem e compartilhá-las quase instantaneamente, garantindo a segurança e privacidade das pessoas e empresas.

Jornalirismo O que esperar da mídia digital, em termos de incentivar o desenvolvimento de relacionamentos duradouros com clientes, consumidores e cidadãos?

Bernardo As mídias digitais são um excelente meio para criar relacionamento. Basta ver as mídias sociais e o poder que elas deram ao consumidor. Hoje, um canal online é a forma mais eficaz para você se comunicar com uma marca. A resposta é rápida porque o acesso ao canal de serviço ao consumidor é imediato. Isso aproximou as empresas das pessoas e, encurtando o caminho, os negócios tiveram que se tornar mais ágeis e eficientes. Dessa forma, todos ganharam, e a sociedade como um todo se beneficiou.

Jornalirismo O que está na base da mudança do nome de Associação Brasileira das Agências Digitais para Associação Brasileira de Agentes Digitais?

Bernardo O objetivo da mudança foi ampliar a atuação das entidades dentro do meio digital e apoiar, além das agências, os agentes digitais que são empresas, como os desenvolvedores de e-commerce e tecnologias mobile, entre muitos outros.

Jornalirismo Mais ou menos vinte anos depois da “inauguração” da internet comercial no Brasil, que balanço a ABRADi-SP faz do mercado e do internauta brasileiro?

Bernardo Vinte anos atrás, com o início da internet comercial no Brasil, éramos cerca de 120 mil usuários. Hoje somos cerca de 85 milhões. O Brasil é o segundo país no mundo com maior acesso ao Facebook e Twitter. Nosso e-commerce movimentou R$ 35,8 bilhões em 2014 (dado do E-bit) e está em constante crescimento. Vendo esses números, fica claro que nosso balanço é positivo. Tanto as empresas como os consumidores amadureceram e apostaram no online. Todos enxergaram que é um caminho sem volta rumo a um mundo novo de oportunidades.

 

Imagens: Divulgação ABRADi-SP

 

Comentário