A mãe da Bê

Nasci no dia 5 de novembro, na madrugada de sábado para domingo, mais precisamente à 1h10. Toda a atenção daquele momento estava voltada para mim, uma criança gorducha que acabara de nascer e trazia ainda mais alegria para meus pais.

Minha mãe não imaginava que suas noites não seriam mais as mesmas. Os dias eram invertidos, noites para brincar e dias para dormir. Todos brincavam que eu era um bebê da boêmia.

Aos poucos fui crescendo e saindo do foco da família, ainda mais quando nasceu minha irmã mais nova. Impressionante como as pessoas adoram um bebê. E por mais que eu e minha irmã mais velha lutássemos para ter a atenção de volta, não era o nosso momento; tivemos que aprender que era a vez da minha irmã mais nova.

A vida continuou, amadureci e comecei a acreditar que o mundo estava ali bem na minha frente para tudo o que eu quisesse. Mero engano. Na verdade, eu estava dentro dele, com diversos caminhos diante de mim para escolher. Um aprendizado de perspectiva que não terminou aí.

As luzes voltaram para mim na minha formatura, no vestibular e em mais alguns marcos que cumprimos no percurso. A tal da vida acadêmica.

Até o dia do anúncio do meu casamento. Lembro-me das reuniões com os fornecedores e eles nem sequer olhavam o noivo, mesmo eu o colocando nas discussões e decisões.

Lembro-me de entrar no salão e todos me olharem.

Lembro-me do alvoroço.

Lembro-me dos convidados entusiasmados para tirar fotos com a noiva.

Enfim, só faltavam os paparazzi, porque noiva é praticamente uma celebridade.

O próximo passo era a construção de algo a dois, a dois mesmo. Isso é difícil. Um exercício de equilibrar a balança diariamente, com muito respeito e carinho. Note que o foco sai da noiva e vira o casal.

Continuamos a caminhar. Decidimos ter uma família. Chegava a hora de descobrir o gestar, que não é mágico, como dizem, mas sem dúvida transformador. Nesse momento, a vida me preparou novamente para mudar o foco. A atenção que partiu do meu umbigo foi parar nos meus braços.

Olho para trás e vejo: minha chegada, minha vida acadêmica, meu casamento, minha gravidez, sua chegada.

A Bê. A mãe da Bê.

 

Imagem: www.v3wall.com

Comentário