Mantra para 2014

 

Tibetano Henfil,

 

Só com sabedoria e meditação conseguiremos suportar a Copa do Mundo no Brasil e eleições estaduais e presidenciais ao mesmo tempo. O ano será árduo – uma provação a cada mês – verba pública desviada a cada semana e um punhado enorme de homens públicos pagando fiança a cada dia para escapar do jejum e meditação em templos federais de segurança máxima.

 

Muitos espalharão o mal antes da novela das nove e dirão ser apenas um inofensivo horário político. Talvez um mantra seja capaz de nos proteger contra o bem que eles tanto desejam para todos nós.

 

Os estádios estão milionariamente de pé, mas o dinheiro utilizado não foi retirado do orçamento dos ministérios da Educação e Saúde – mesmo assim, alguns homens públicos (dotados de alguma vidência) já guardaram algum para pagar a fiança.

 

E os debates políticos na televisão? Serão necessários muitos mantras e exercícios de yoga para expandir o saco escrotal dos telespectadores. Isso merece uma reflexão: são milhões de homens assistindo ao produtivo e esclarecedor debate e após insuportáveis dez minutos SSSSCCCCATABLUUUMMMM… Milhões de testículos espalhados pelo carpete de madeira e chão batido do Brasil inteiro.

 

Lembrei-me daquela canção – daquele mantra escrito para exaltar a Seleção Brasileira na Copa de 70, no México – com uma pequena adaptação: 90 milhões sem culhões /Salve a Eleição /De repente é aquela gente indecente /Parece que todo Brasil está na mão/ Vamos juntos, vamos /Pra frente, Brasil, Brasil /Salve a eleição! Rê, rê, rê, rê…

 

Outro dia atualizo sobre os primeiros acontecimentos futebolísticos e eleitoreiros. E já que o UFC está em alta, o negócio é adotar a saqueira dos lutadores. E haja saco! E antes da despedida. fica a pergunta: qual é a atividade preferida de alguns políticos brasileiros?

 

A) (    ) Coçar os testículos.

B) (    ) Coçar o saco escrotal.

C) (    ) Coçar os culhões.

D) (    ) Coçar os bagos.

E) (    ) Todas as alternativas anteriores.

 

Gabarito: E

 

Até a próxima coçadinha, digo, cartinha.

 

Jornalirista

 

 

*Sílvio Valentin Liorbano é professor e escritor.


Comentário