O eu e a rua

“Re-trato” (2016), terceiro livro do autor Charles Marlon, é um convite aos sentidos. Impresso em papel-couchê, oferece ao tato o alto-relevo discreto dos poemas. O cheiro do livro é bom. E, para os olhos, basta ler um ou outro poema que logo se sabe que o que está sendo livro é poesia de grande originalidade e lirismo. Uma edição primorosa da Editora Patuá.

O livro é dividido em duas partes, “Re-talho” e “Re-tratos”, mas a passagem se faz sem mais alterações. Todos os poemas do livro vêm acompanhados de uma epígrafe e uma foto em P&B captadas pelo próprio Charles. Portanto, ao ler seu livro, vale e enriquece relacionar cada um de seus elementos para ter o todo do poema.

A temática é urbana. As fotos são de cenas da rua. E a rua, mesmo aquela apenas imaginada pelo eu lírico, é o grande tema desse livro. Ela é apresentada como um mosaico de detalhes que só um bom poeta pode reunir, e instiga pelo cosmopolitismo e pela beleza crua. A metáfora, no caso, é a observação da rua como a observação da própria vida, e há também em “Re-trato” poemas psicológicos.

Esteticamente, os poemas são bastante belos em seus fracionamentos e enjambements (quando um verso continua no verso seguinte). Ao compor cada um, Charles demonstra ter tido o cuidado de buscar uma linguagem ímpar: são versos com divisões silábicas da última palavra para se encontrar o resto fracionado no verso seguinte, e, até, em outra estrofe.

Como exemplo, em “O termo” temos:

“Desabalada a noite,

permaneço no que se des-

faz com o segundo que si-

lencia e assessa – seguro –

o furo a que costumam

chamar futuro. Desaba a-

quilo que permanece ruína […]”

A capa do livro mostra o que parece ser marcas de pés, pegadas, mas quando se mergulha a atenção aos detalhes, dá para perceber que são três pessoas vistas de baixo, como se estivéssemos num subsolo de vidro. As sombras dessas pessoas são borradas, e no livro também fica difícil de ver o “outro”.

“Re-trato” é um livro aparentemente confessional, mas a interferência do autor no eu lírico que ocorre nesses casos é uma senha para o leitor, especialmente o leitor de uma grande cidade, acessar retalhos de si próprio no mundo à sua volta.

livro

Livro: “Re-trato” (Patuá, 2016, 120 páginas)

Autor: Charles Marlon (Saiba mais sobre o autor e o livro clicando aqui)

Créditos da imagem: divulgação

 

Comentário