Pra sempre

“Mas amizade não deveria ser pra sempre?” A Pati sempre me pega na curva com suas perguntas intrigantes. Ela sabe que eu não resisto a uma filosofia barata de boteco… Melhor: de café na Paulista.

Amizade sempre foi meu ponto fraco. Ou forte, dependendo do ponto de vista. Sempre tive a sorte de encontrar pelo caminho pessoas muito especiais a quem pude chamar de amigos. Com eles, aprendi a me relacionar, a aceitar as diferenças, com eles cresci, conheci lugares novos e vivenciei experiências memoráveis.

Também me decepcionei. E chorei. E fui pra terapia. E descobri que a saudade é um sentimento incurável quando se trata de ex-amigos, termo que ouvi pela primeira vez há poucos anos e ainda reluto a aceitar.

Nas nossas reflexões sobre o caráter eterno da amizade, Pati e eu concluímos que nem sempre amizades são eternas. A duração dos sentimentos desperta o interesse dos mais variados artistas, desde os considerados intelectuais, como nosso querido poetinha Vinicius de Moraes, até bandas dos anos 80, como Legião Urbana: “Que seja infinito enquanto dure” e “O ‘pra sempre’ sempre acaba”, respectivamente. De uns tempos pra cá, tenho evitado profetizar que algo vai ser pra sempre e tentado viver o carpe diem com mais afinco.

Mesmo assim, algumas coisas terminam. Dizendo ou não que elas são eternas. Maldizendo ou não que elas acabarão. Às vezes é difícil identificar o momento do término. A gente só percebe quando terminou: aquele momento em que a gente se olha e não se vê; quando nos cumprimentamos com frieza nos encontros inevitáveis. Não há sorrisos forçados nem falsos elogios no fim de uma amizade: apenas a frieza do olhar vago.

Mas quando uma amizade termina, o amigo vira “ex-amigo”? Na minha lógica nostálgica, a resposta é: Não! Um amigo estará sempre nas boas lembranças, nos sonhos criados pelo inconsciente, nas conversas sobre o passado. Ele nunca sairá daquele lugar especial que conquistou no nosso coração.

Para esses lugares, não são aceitas as placas de “Passa-se o ponto”. No máximo, de “Fechado para balanço”. Um amigo nunca vai ser “ex-amigo” porque, só de falar “meu ex-amigo”, já demonstra que ele não saiu da nossa vida: “meu”, pronome possessivo.

Uma amizade pode terminar. Um amigo pode existir só na lembrança. Mas, se nem tudo é pra sempre, o fim também pode não ser.

 

Imagem: Arte Jornalirismo

6 comentários para “Pra sempre”

  1. Thais Polimeni

    Thais Polimeni

    Oi, Matheus!

    Fico feliz que tenha gostado e se emocionado. Gostoso se emocionar com sentimentos bons, né? Obrigada pelo comentário!!

    Beijos,

    Thais

  2. Matheus Matheus

    Texto lindo. Até me emocionei…

  3. Thais Polimeni

    Thais Polimeni

    Pati, eu que te agradeço por você estar sempre disposta a conversar, dialogando com respeito e me fazendo refletir sobre os mais variados temas. Obrigada e Parabéns pánóis tudo! Hehehe

  4. Thais Polimeni

    Thais Polimeni

    Olha, muito bem observada essa história das fotos, Célia! Tem gente que joga fora o passado sem se lembrar dos bons momentos, né? Obrigada pelo comentário! Superbeijo,

  5. Patricia

    Como é bom ter uma grande amiga para as divagações de "café na Paulista", para ouvir simplesmente "eu te entendo" e partilhar risos, sonhos, histórias e frustrações nas aulas de matemática desde a adolescência rs . Lindo texto , amiga ! Você eh ótima… Sensível e perspicaz , profunda sem perder a leveza ! Parabéns por expressar tão bem nossos mundos !!!

  6. Celia Lutfi

    Thais maravilhosa. Eu concordo com vc, jamais sumiria por exemplo, com uma foto de alguém que ja tenha passado por minha vida, marcando um momento da minha história.
    Meu jeito de guardar um amigo presente ou nao é sempre , bem aqui, do lado D.
    Bjos e parabéns 😍

Comentário