Zona Lost

 

Rendo aqui minha homenagem ao anônimo morador de São Paulo que apelidou a região mais populosa da cidade, a Zona Leste, de Zona Lost. A expressão bilíngue que inventou não é superpopular, mas é ouvida aqui e ali com frequência entre jovens, carrega uma incrível precisão e tem forte sintonia com a história da região.

Se você é de fora da Zona Leste, provavelmente já ouviu falar na Mooca italiana, no comércio popular do Brás, no alvinegro Parque São Jorge, no Tatuapé e seu anexo luxuoso, o (plim-plim!) Jardim Anália Franco.

Embora lhe faltem cartões-postais, a ZL, como também é conhecida, é isso e muito mais. É Itaquera, Guaianazes, Penha e São Miguel. É Ermelino Matarazzo, Aricanduva, Itaim Paulista, Cangaíba e Sapopemba. É Belém, Água Rasa e Ponte Rasa.

São os bairros com nome de cidade: Cidade AE Carvalho, Cidade Líder, Cidade Patriarca e Cidade Tiradentes. São as muitas vilas, Alpina, Carrão, Diva, Ema, Formosa, Matilde, Nhocuné e Prudente. São os santos de casa que não fazem milagre: Santa Clara, São Lucas, São Mateus e São Rafael. E uma lista infindável de bairros, alguns com nomes um tanto irônicos, como Jardim Imperador, Vila Califórnia, Vila Nova York e Vila Rica.

A Zona Leste paulistana é uma grande região dormitório: tem quase 4 milhões de habitantes. Ou seja, se fosse um município, seria o terceiro mais populoso do país! E desde o início de sua configuração urbana, no século 19, a região é habitada pela classe operária.

 


Vista de Cidade Tiradentes, Zona Leste. Ocupação incentivada pelo poder público.

 

De zona rural a ponto de conexão

Até meados do século 19, a imensa área que abrange as margens dos rios Tamanduateí, Tietê e afluentes era predominantemente rural, com pequenos e esparsos núcleos, como o da Penha e o de São Miguel Paulista, que remontam aos tempos iniciais da colonização portuguesa, e cruzada por quem se aventurava nos caminhos entre a vila de São Paulo, o Vale do Paraíba e o Rio de Janeiro.

A mudança desse panorama se intensificou na década de 1860, quando o cultivo do café se expandia pelo interior paulista e começava a impulsionar a economia do Estado e do país. Para escoar o café produzido no interior, foi inaugurada, em 1867, a ferrovia Santos-Jundiaí, uma das primeiras do país. A caminho do mar, a estrada de ferro atravessa a parte da zona leste mais próxima ao centro tradicional de São Paulo, às margens do Tamanduateí.

Dez anos mais tarde, outra ferrovia começou a cruzar a região: a Estrada de Ferro do Norte, ligando São Paulo e Rio, perpendicular à Santos-Jundiaí. O pequeno núcleo do Brás, próximo ao centro, tornava-se, então, um ponto de conexão, com estações nas duas ferrovias e linhas de bonde para o centro paulistano.

Os trens que levavam o café a ser exportado ao porto de Santos traziam imigrantes que chegavam ao país para trabalhar na lavoura. Em pouco tempo, o governo da então Província de São Paulo ampliou o incentivo à imigração e decidiu construir uma nova hospedaria para os imigrantes. O local escolhido para abrigar o prédio foi justamente o Brás. Para completar, o bairro sofreu uma reformulação viária, com o alargamento e a abertura de ruas.

Essas ações do poder público, concentradas entre as décadas de 1860 e 1880, fizeram do Brás o primeiro grande aglomerado urbano da parte leste de São Paulo. O que era uma zona rural, formada por chácaras, transformou-se rapidamente, no fim do século 19, em uma área de grande movimento, ocupada por indústrias atraídas pelos preços baixos das terras e o acesso ao transporte.

Impulsionada pela imigração, sobretudo europeia e especialmente a italiana, a população do Brás, que até a década de 1910 abrangia os bairros da Mooca e do Belenzinho, começou a crescer vertiginosamente, provocando a multiplicação das moradias operárias, simbolizadas pelos cortiços.

 


Lavadeiras às margens do rio Tamanduateí, na região da Várzea do Carmo, em 1910.

 

Lado de cá e lado de lá

Cronistas e pesquisadores do início do século 20 relatam que a principal marca de São Paulo na época era o forte contraste entre a zona leste e o restante da cidade. Como se fossem duas cidades: uma aquém do rio Tamanduateí e outra além. O impulso à ocupação do leste fora dado no século 19. Mas, dali em diante, as ações do poder público jamais acompanharam o ritmo do surgimento e da ampliação dos bairros, e a zona leste raramente esteve entre as prioridades administrativas. A estrutura urbana – asfalto, água, luz, saneamento, transporte – sempre chegou com muito atraso.

Ao longo do século 20, a ocupação da Zona Leste avançou pelas áreas rurais rumo aos limites do município, favorecida pela topografia sem grandes acidentes, pelos baixos preços das terras e, principalmente, pelo poder público, ora se omitindo, ora implantando ele próprio moradias nas franjas do território. Com a transferência de moradores do outros lugares da cidade e a chegada de migrantes de várias partes do país, a região tornou-se a mais populosa de São Paulo e formou uma grande periferia.

Os estudos sobre a cidade mostravam que a Zona Leste possuía enorme potencial para se tornar um importante eixo de crescimento. Entretanto, a administração pública privilegiava a estruturação do quadrante Sudoeste, o escolhido pela elite paulistana.

Em 1968, por exemplo, quando finalmente o metrô começou a ser construído em São Paulo, a prefeitura priorizou a implantação da linha Norte-Sul, de baixa demanda, em detrimento dos projetos voltados para a ligação Leste-Oeste.

Nos anos de 1970, quando decidiu o que fazer na Zona Leste, o Metrô descartou projetos mais complexos e optou pela construção de uma linha no leito da (e paralela à) antiga Estrada de Ferro do Norte, que chegaria ao então bairro rural de Itaquera, no extremo leste.

Entre os anos de 1970 e 1980, a construção de conjuntos habitacionais populares – as Cohabs – mudou completamente a configuração de Itaquera e de outras partes da região. O grande símbolo desse tipo de produção habitacional é conhecido como Cidade Tiradentes, que tem mais de 200 mil habitantes e, a exemplo de outros conjuntos, foi implantado pelo poder público nos limites do município – a 35 quilômetros do centro – sem que houvesse estrutura adequada de serviços no seu interior ou no entorno.

 


Cidade Tiradentes: moradia distante de tudo. Periferia a perder de vista.

 

Tamanha urbanização provocou problemas ambientais. Com a impermeabilização do solo e a baixa quantidade de áreas verdes, a temperatura da Zona Leste é mais alta do que em outras partes da cidade. Consequentemente, nos períodos mais quentes, as pancadas de chuva são fortes, frequentes e provocam inundações na região. No último verão, partes da região do Jardim Pantanal, no extremo leste, ficaram alagadas por praticamente dois meses.

Funil e conta-gotas

Se por um lado a população da Zona Leste cresceu, por outro a oferta de empregos na região permaneceu muito aquém da demanda. A ZL fornece mão de obra para o resto da cidade. Assim, quem mora no leste tem, em geral, de ir a outras partes e fazer grandes deslocamentos para chegar ao trabalho. Ironicamente, sair ou entrar na região não é nada fácil. Apesar de imensa, a Zona Leste tem poucas ligações com o centro, o sul e o oeste da cidade. Como um funil, quase tudo converge para o grande corredor que rasga a região formado pela avenida Radial Leste, o metrô e a ferrovia.

 


Paisagem cinzenta. Quase tudo na Zona Leste converge e se afunila no corredor formado pela Radial Leste, o metrô e a ferrovia.

 

No transporte público ou no trânsito, o deslocamento é sofrido e demorado. O funil vira um conta-gotas.

Os problemas do trânsito na região nunca foram dimensionados. Grande parte de suas vias é ignorada no cálculo feito pela CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) para informar o volume de tráfego na cidade. Uma dessas vias ignoradas é simplesmente a maior de São Paulo, a avenida Sapopemba, tortuoso caminho de quase 30 quilômetros.

Quanto ao transporte sobre trilhos, a concentração de população na porção leste da Grande São Paulo faz com que o metrô e o trem já iniciem as viagens com os vagões cheios, o que dificulta o uso desses meios de transporte pelos moradores dos bairros mais próximos ao centro.

Concluída somente em 1988, a linha Leste-Oeste do metrô paulistano já nasceu sobrecarregada. Sua superlotação, uma das maiores do mundo, é famosa.

 

Confira abaixo a superlotação na plataforma de embarque da estação Sé rumo a Itaquera em um fim de tarde:

 

Em 2010, depois de 22 anos, o Metrô inaugurou, neste fim de agosto, uma nova estação na região. A Vila Prudente é a estação terminal da linha que passa sob a avenida Paulista. O andamento da construção da linha mostra bem as prioridades na cidade: o primeiro trecho inaugurado foi o da Paulista, em 1991; depois, a linha avançou até seu terminal oeste, na Vila Madalena; para depois cortar a Zona Sul e finalmente se completar, chegando ao leste.

Se o metrô apresenta problemas graves, o trem é ainda mais precário. Apesar de melhoras recentes, seu padrão ainda está aquém do oferecido pelo metrô. Foram os problemas do trem na Zona Leste paulistana que levaram Alessandro Buzo, morador do Itaim Paulista, a enveredar pela literatura. As dificuldades do cotidiano no trem marcaram o início de sua trajetória como escritor (leia aqui um texto de sua autoria, publicado no Jornalirismo, sobre o trem na Zona Leste).

Compositores da região também voltaram suas atenções para o duro cotidiano do trem, como Edvaldo Santana, em “Samba de Trem”, que você ouve aqui.

A dificuldade para chegar ao local de trabalho é a mesma do deslocamento para estudar ou para buscar o lazer. A Zona Leste é carente de universidades – a expansão de faculdades privadas e a construção da USP Leste são fenômenos recentes –, de cinemas, teatros, espaços para shows, parques e praças esportivas.

Perdida, desperdiçada

Ao morador da Zona Leste, tudo parece distante. Levar de uma a duas horas nos trajetos é situação comum. Para quem é de fora, a ZL talvez pareça um outro planeta, desconhecido, labiríntico.

Então, se alguém disser que vem da Zona Lost tem toda a razão. Vem da região perdida e mal conectada com a cidade. E, sobretudo, vem de uma região cujo potencial tem sido desperdiçado ao longo do tempo.

Entre as principais alternativas para quebrar as barreiras da capital paulista e melhorar a qualidade de vida na cidade, estão a descentralização da oferta de empregos e serviços e o investimento em transporte público, com foco na Zona Leste, para que a quantidade de deslocamentos longos e demorados seja reduzida.

A cidade precisa de uma saída, e a região leste, apesar das oportunidades desperdiçadas, ainda é a grande alternativa, com suas dimensões e sua força de trabalho. A capital paulista será mais equilibrada quando voltar seu olhar para o oriente, quando recuperar o tempo e o espaço perdidos.

 

1. Foto da Várzea do Carmo: de Vincenzo Pastore, reproduzida no livro A Leste do Centro, de Regina Meyer e Marta Grostein.
2. Fotos de Cidade Tiradentes: blog
http://territoriopoeticocidadetiradentes.wordpress.com/.
3. Foto da Radial Leste: Assembleia Legislativa de São Paulo.

19 comentários para “Zona Lost”

  1. Arnaldo A. Marques

    Parabéns pela magnífica matéria: “Como surge uma ocupação”. Mas fica algo que me preocupa. São Paulo é para muitos brasileiros de vários municípios destes “brasis”, a lamparina que atrai mariposa. Uma ilusão fugaz. Muitos prefeitos se livram de certos problemas lotam ônibus: “toca para São Paulo”. O governador do Acre pagava ônibus com haitianos, “toca para São Paulo”. Recentemente o exercito lotou um ônibus de venezuelanos e os despejou em São Paulo. Bolivianos, nigerianos….. A área metropolitana de São Paulo é a terceira mancha humana do mundo.

  2. thiago

    CHA A ZONA LESTE DE ZONA LOSTA PORQUE ELA É UMA MERDA…..LUGAR DE LADRAO SE ESCONDER, PUTA LUGAR FEIO, POVO FEIO, UM MONTE DE POBRE……
    GRAÇAS A DEUS NAO PRECISO ME ARRISCAR PARA AQUELES LADOS…..
    OLHA O NOME DOS BAIRROS: Itaquera, Guaianazes, Penha e São Miguel, Ermelino Matarazzo, Aricanduva, Itaim Paulista, Cangaíba e Sapopemba, Belém, Água Rasa e Ponte Rasa.

    MEU DEUS…..DA ATÉ MEDO DE PASSAR POR UM LUGAR DESSES!!!

  3. Carlos Brazil

    Zona Liszt
    Quem sabe, amigo Wellington, com os esforços de gente dedicada como você possamos compor num futuro não tão distantes uma Zona Liszt, parecida com os belos acordos do compositor húngaro?

    Parabéns, amigo.

    Grande abraço,

    Carlos Brazil

  4. Talita Godoy

    Novas impressões
    A região leste tem o seu valor, e o seu povo também! Percebi outros aspectos lendo este ótimo texto.
    Parabéns, Wellington!
    Talita Godoy

  5. MÔNICA

    POIS É
    Apesar de não morar atualmente na ZL, meu começo de trabalho foi lá. Hoje, ao passar pelos mesmos locais, me surpreendo com as diferenças enormes…Na época não havia o metrô e eu ia trabalhar de ônibus ! A Aricanduva nem parece que é a mesma e as pessoas hj reclamam mais do que em 1900 e tantos…O transporte na cidade piorou ? O humor das pessoas acabou ou elas tem menos tolerância hoje?
    Adorei o texto Welli, mas não consigo responder minha própria pergunta…

  6. Wellington

    Zona Leste, Zona Lost
    Obrigado pelos comentários!
    Sem dúvida, Milton, a inclusão do futuro estádio de Itaquera como sede da Copa de 2014 pode representar uma nova fase para a Zona Leste.
    Com o estádio no bairro, o Corinthians paga uma imensa dívida com sua torcida, com a cidade e com a Zona Leste. O estádio está previsto ali desde pelo menos os anos 70. O próprio planejamento do metrô levava isso em conta.
    Mas o estádio e a estrutura existente não são suficientes. É preciso, no mínimo, mais transporte público na região. E faltam menos de quatro anos para a Copa. O poder público precisa apertar o passo.

  7. Milton Jung

    A Copa da ZL
    Oportuno olhar para a zona leste que ganhará atenção especial da cidade e dos cidadãos a partir da notícia de que lá estará o estádio paulista da Copa 2014. Sempre entendi que dos locais discutidos, a criação de uma arena esportiva e cultural poderia ser indutora de investimentos na região. Vamos ficar atento para o que pretendem fazer as autoridades públicas naquela área, pois apenas a construção de um estádio não será suficiente. Há necessidade de ampliação das vias, renovação da estrutura sanitária e cuidados ambientais. Se isto ocorre, a ZL já está com a mão no caneco.

  8. Marcos Maurício

    Zona perdida
    Parabéns pelo texto, Wellington. Muito boa a análise da Zona mais perdida de São Paulo. Quando vão achá-la? Vai demorar e muito, com certeza.

  9. Mariana Ramalhoso Alves

    Manifesto ZL
    Muito bom o texto! Parabéns!

  10. Fernando Gallo

    Clap, clap, clap!!!
    Sou seu fã!

  11. Marisa R. Alves

    Wellington
    Parabéns pelo trabalho de valorização da nossa "Zona Leste".
    Que mais pessoas se juntem nessa luta, fazendo com que os futuros governantes se sensibilizem e promovam mudanças significativas para a "Zona Leste".

    Marisa R. Alves

  12. Déborah Dias

    O funil vira um conta-gotas..
    Fantástico texto Wellington! Realmente, presenciei por muito tempo (e sofrido tempo diga-se de passagem) esse trajeto Zona Lost-Centro, além da precariedade no transporte, o deslocamento é muito difícil e com o passar do tempo só tem piorado. Triste hoje é não ver projetos para esta região sob atenção dos nossos governantes. Matéria que merece um alto-falante 😉

    Grande abraço!

  13. Celso S. dos Santos

    Caro Wellington:
    Que belo trabalho voce fez. Creio que tenha pesquisado bastante para conseguir informações que eu não conhecia. Como voce sabe sou morador da Zona Leste desde sempre,e confesso que gosto muito daqui.
    Infelizmente tenho que concordar com as carencias e não acredito em mudanças significativas a curto prazo.
    Parabéns pela matéria. Abs.

  14. Germano Gonçalves

    Socialismo.
    Olha Wellingtom, enquanto o povo da Zona Leste, Norte, Sul e Oeste qualquer que seja não buscar os ideais no socialismo seremos esquecidos, bom texto eu como morador da Zona Leste, faço meu corre para dias melhores, e cada dia sinto o sol e vou em busca da luz. Belo texto sim, gostei.
    Valeu!

  15. Paulo Cavalcanti

    Zona Leste
    Prezado Wellington Ramalhoso ,

    Participei este final de semana, do 1º Encontro Nacional de Blogueiros, que aconteceu, sabado e domingo (21/22) – no Sindicato dos Engenheiros de SP.

    Participaram 330 blogueiros de 19 estados brasileiros, foi muito proveitoso.

    Eu tenho a "pretensão" de tentar organizar os blogueiros da Leste para trocar figurinhas, e ver se a gente foca nossos blogs, nas questões da Zona Leste, tão esquecida.

    Se puder e for do teu interesse, segue aí meu e-mail para contato.

    Um abraço, e parabéns pelo belo blog.

  16. Rafael

    saliento que as imagens feitas no metrô estão bem aquém do que tenho visto nas últimas semanas… tem gente que para nas escadas pq já não há espaço na plataforma. Vejo as vezes pessoas chorando, não sei precisar o motivo, mas provavelmente algo que emerja dessas situações-limite.
    Ótimo texto!! Divulguemos!!

  17. Bruno

    Eu morei a vida inteira na ZL, entre os bairros da Penha, Vila Carrão e Tatuapé. Fechado no mundo próprio – e, para mim, fascinante da ZL -, me sentia numa região como outra qualquer. Só quando comecei a vir mais pra outros bairros (hoje moro na Vila Madalena) que percebi – assustado pra cacete – como a ZL é desconhecida pro resto da cidade, quase exótica. Primeiro achei ignorância das pessoas. Depois, vi que a estrutura da ZL a torna de fato um adendo de SP e ver que, de certa forma, estão certos de nos acharmos uma coisa à parte. Por fim, como é natural, o orgulho de ser da ZL aumentou. Tornou-se uma posição política ser deste lugar.

  18. Leandro Machado

    Wellington,
    Parabéns pelo texto.
    Nós, da ZL, vivemos esse caos todos os dias. E o descaso com a população é evidente.
    O pior é saber que pouco será feito para melhorar a situação.

    Mais uma vez parabéns!
    Abraços,
    Leandro

  19. Keli Vasconcelos

    O texto só mostra como a sofrida Zona Leste precisa de mais olhares e oportunidades. Sou da ZL e si das mazelas que muitos penam para (sobre)viver nesta metrópole. São conduções lotadas, lugares e condições de difícil acesso. Vale lembrar que não é apenas a ZL que sofre. Temos diversas regiões de SP que também têm suas dificuldades. Apenas saliento: não há como fechar os olhos para esta realidade.

Comentário