Ama-me

Ama-me agora com tudo que me é direito
Com tudo que ainda podes neste enredo
E se por ventura a ti restar ainda o medo
Então peço: “Ama-me do mesmo jeito.”
Ama-me sem receios, que a ti estou afeito
E em amar-te nunca mais eu retrocedo
Sou teu apenas e por sê-lo é que sou ledo
E certo que tudo ao teu lado está perfeito
Que cada dor que te causei seja esquecida
Que o amor à tristeza é quem prosterna
E o coração para quem ama dá guarida
Querendo-nos de forma assim tão terna
Este amor então será infinito, pois a vida
(como bem disse outro poeta)
Não haverá mesmo jamais de ser eterna

4 comentários para “Ama-me”

  1. juan batista

    [i][/i]muito lindo este poema parabens

  2. Serginho Poeta

    Obrigado pelos parabéns!

  3. Thainá Soave

    Encantador, maravilhoso ! Parabéns pelas maravilhosas palavras!

  4. Andréa

    Maravilhoso, este poema. Parabéns.

Comentário