Amizade à parte

Era de poucas amizades.
Sempre falava:
‒ Meus amigos são a minha família.
Alardeava:
Não queria ter amizades importantes.
Os poucos eram seus entes queridos.
Mas como não vivemos
Sozinhos no mundo
Fez lá uma amizade com um policial.
Dias depois, precisou de seus serviços
Para livrar o filho.
Que se envolveu em coisa errada.
Ao passar do tempo,
Fez amizade com um advogado.
Meses depois precisou de seus honorários
Para o divórcio junto ao cônjuge.
E os amigos foram aparecendo.
Certo dia fez amizade com um doutor.
Era um clínico geral.
Precisou dele para sair do hospital.
E com um banqueiro fez uma amizade.
Precisou de seus trabalhos
Para penhorar seus bens.
A amizade com o juiz não deu certo.
Na audiência perdeu a paciência.
Assim caminhava seu destino
Até que fez amizade
Com um coveiro.

 

Imagens: http://6iee.com

5 comentários para “Amizade à parte”

  1. Jean Mello

    escrevendo como uma espada afiada, sempre.
    perfeita reflexão.

  2. Izabel

    Parabéns por mais uma obra de arte, Germano.
    Gosto muito de seus poemas e sempre que posso os levo para trabalhar com meus alunos.

  3. marcos olavo

    boa tarde,

    amigo Germano Gonçalves…

    Perfeito texto… grande riqueza…

  4. Luzia Pacini

    Também professor e historiador! Bela poesia! Um abraço!

  5. iuri ignez

    parabéns pelas palavras meu grande amigo sucesso

Comentário