Do abismo

Sinto a mesma sensação da fantasia,
De ter algo que me deixa maravilhado
E que, de repente, tudo foi apenas propaganda,
Algo que eu mesmo me coloquei como um sonho eterno.

Pura merda!

Fui atraído para meu último desejo.
Aquele em que você deposita e crê que será sua última chance.
Mas não.
Os pássaros miseráveis da ilusão, esses filhos da puta.
Um pilantra, uma bebida e um carinho, esse último, feito de isopor e corações jogados ao vento.
Eu, por mais que seja outro, continuo sentindo a sensação da merda escorrendo pela minha pele.
A realidade é para poucos.
E você não sabe andar sobre ela.
Sento no meu trono à espera de uma espada que atravesse meu peito.
Mas falta-lhe toda a verdade.

 

Créditos da imagem: http://editoras.com/

Comentário