Ode à Caneta Operária

Oh, Minha Caneta!
Enquanto vejo o azul-marinho
Na transparência do teu corpo
Me pergunto:

— Tu, que foras feita
pelas mãos de um operário
que é provável
nunca leia este poema
não és também uma operária?

Pois labutas, incansável
Nesta fábrica de palavras
Que organizas com capricho
Levas à vitrine (que é o verso)
Da mais bela à necessária
E ao lixo mandas
Com um rabisco sobreposto
A que entendes não servir

Conduzes os meus dedos
Pelas luzes da imaginação
E o papel que era branco
Ganha a coloração
Que liberas da esfera
Do teu extremo

Outras, semelhantes a ti
Geradas pelas mesmas engrenagens
Correm folhas por aí
Assinando sentenças
E legitimando guerras

Nós, companheiros de viagem
Nessas horas intermináveis
De inspiração e agonia
Nunca haveremos de compartilhar
Os textos maquiavélicos
Destas atrozes assinaturas
Que desmoronam casas e poemas

Quando observo os teus movimentos
Penso ser eu, o operário a conduzir-te
Que toda a poesia já está em ti
No interior da carga
Que carregas como veia

Por isso, estimado objeto
De horas absortas
Quando vencerem-nos
Estes bárbaros senhores
Com suas canetas sem asas

Debaixo dos escombros
Dos seus ódios
Haverão de achar-nos
Entre letras, abraçados um ao outro
Os arqueólogos de um mundo
Que a nossa poesia, imortal
Há de criar

Leia outros textos do autor em http://www.sergiomesiano.blogspot.com/.

Um comentário para “Ode à Caneta Operária”

  1. murzelino alves de lima filho

    Realidade e poesia uma arma sutil e poderosa contra a indiferença diante das criminosas diferenças.

Comentário