Um brinde a junho

Quer coisa mais nonsense do que as pessoas tendo a obrigação de serem tomadas pelo espírito natalino?
Dezembro. Lá vai você comprar tralhas barulhentas pras crianças, perfume da Natura pra sua avó e algo melhorzinho pra sua mãe. Sem esquecer o esfoliante de canela da madrinha. É isso que você faz com o tão esperado fim de ano: passa os dias sob o ar-condicionado do shopping riscando nomes na listinha.
E ainda sai de lá com disposição pra ser natalinamente feliz nas 317 festinhas de confraternização. Seu nome está confirmado em todas. Longe de você parecer uma insensível, que não entra no amigo-secreto da turma do pré-2. É Natal. Emocione-se já.
Dezembro nos obriga a reencontrar tanta gente das antigas que fica impossível marcar com os amigos do dia-a-dia naquele boteco de sempre. Até porque eles também estão tentando cumprir a agenda de confraternizações.
Ninguém está em casa, e o celular de sua melhor amiga não pega na ilhazinha em que ela foi passar o fim do ano se autoconhecendo entre os mosquitos. Ainda tem essa. Reflexões. É preciso fazer a famosa listinha de resoluções. Tá cumprindo a sua? Boa menina. Integrada ao grupo, com listinha de ano-novo e tudo.
No réveillon, a responsabilidade em ser feliz aumenta. Contagem regressiva pra palhaçada: champanhe no cabelo, bagos de uva entalados na garganta, aquela coisa toda. Ah, e os fogos de artifício. Fica todo mundo emocionado com o espetáculo de luz e cores. Esse ano foram 17 minutos de show. Que show, gente? Experimente ficar 17 minutos olhando nos olhos de alguém. Brilha muito mais.
Depois vem janeiro. Ninguém voltou pro corpo ainda. Fevereiro nem se fala: ziriguiduns e alalaôs ecoam até de sua gaveta de talheres.
Nada se compara ao prazer do meio do ano. Abril. Adoro abril. Julho, que lindo. Tá todo mundo em casa. Pode ligar: seus amigos atendem até o segundo toque. Só no meio do ano dá pra relaxar tomando um vinho descalça e ouvindo o Willian Bonner tagarelar de fundo. Você não está atrasada pras 317 confraternizações. Não tem a obrigação de ser ardentemente feliz e documentar tudo no Orkut.
Um Miojo borbulha no fogão. Finalmente vai dar pra experimentar o hot, sabor barbecue. Que maravilha. Férias das férias. Ninguém precisa fazer pose comendo petit gâteau em restaurantes da moda.
Ninguém precisa estar bronzeado, emocionado, entusiasmado. Em agosto, com sorte, se esbarra até em um grande amor. Aquele que você procurou em vão entre as sungas estampadas na praia. Salgada ilusão. Tá achando que os grandes amores não confraternizam?
Mas em agosto, não. Eles estão no trabalho, nas locadoras, nas salas de espera, nos bares, sentados em mesinhas da Coca-Cola.
É a vida acontecendo novamente. E ainda é junho. Feliz meio do ano-novo pra você.

12 comentários para “Um brinde a junho”

  1. Wander Levy

    FÃ DE CARTEIRINHA
    A Katiany tem a mesma benevolência que eu tenho com os prazeres baratos do mundo: nenhuma. Somos seres que olham os outros seres com um certo espanto pela forma como eles interagem entre si no embalo de músicas bregas, perfumes baratos e gritinhos histéricos. Talvez a gente tenha batido a cabeça quando criança ou lido coisas que não devia, não sei. Só sei que não tenho paciência para babaquices e nem piedade da ignorância de quem ama dizer eu te amo a cada minuto.

  2. João Claudio Lins

    Brilhante, Kati. Sintonia total de pensamento. Penso o mesmo. O espírito natalino é imposto na gente. A bondade também. Natal, para mim, está intimamente ligado à culpa. Tudo o que fazemos no Natal (refiro-me às bondades de fim de ano) está ligado ao "desengargo de consciência".

    Odeio Natal. Adoro vc.

  3. Cris Cardoso

    Mal nos conhecemos, mas conhecemos muitas pessoas que se conhecem. E foi assim que descobri essa redatora fantástica. Estou sempre de olho nos seus textos Katy… esse é ótimo!

  4. Geremias

    Então, você não apenas lê… Gostei, Katiany, e gostei bastante. Parabéns.

  5. Michelle Araújo

    Grande Katiany, que tive o prazer de conhecer ontem pessoalmente!
    "Experimente ficar 17 minutos olhando nos olhos de alguém. Brilha muito mais."
    Genial. Parabéns!!

  6. Luana

    Mais um texto maravilhoso de outros tantos que ela ja fez. Parabéns Katy, amida querida. 🙂

    Beijos

  7. Roberta Beck

    Esse foi apenas o começo. Aguardem, pois vem muito mais tesouros por aí.

    Parabéns, "amida".

    Sucesso²

    Bjs

  8. Lia Marcondes

    Show! Tim-tim!

  9. Vanessa

    Ui, como eu amo as coisas que essa pessoa escreve.

  10. Camila Meier

    Adorei a crônica, engraçadíssima! Também detesto essa correria insana.

  11. fernando palermo

    Quem conhece a redatora não se surpreende. De onde saiu este belo texto tem mais, muito mais. Um olhar sempre novo, meio poético e meio crítico, meio ingênuo e meio irônico. Mas um texto sem meias-palavras. Enfim, um texto completo. E único. Parabéns pela escolha desta nova colaboradora.

  12. Paulo Ferreti

    ?
    Quem é Katiani Pinho?
    Bom demais o texto.

Comentário